sexta-feira, 19 de abril de 2013

Criando filhos em tempos difíceis #consumismo



E, para a maioria, os tempos sempre foram difíceis para criar filhos. Cada época da história da humanidade teve suas pedras no caminho. As nossas pedras tem, entre outros, o formato do consumismo. A doença do consumo. Não basta comprar, é preciso comprar muito e até o que não precisamos. Não basta desejar, é preciso sentir-se mal quanto não podemos ter o objeto do desejo. E o espaço para o ser alguém legal, admirado pelas pessoas pelo que se é, está cada vez menor. 

Nós, adultos, já sabemos como funciona o jogo e a maioria de nós sabe como driblar este tipo de coisa. As crianças, contudo , não sabem. Então, para uma mãe assistir a uma propaganda que mostra que um determinado perfume como algo capaz de enlouquecer os homens não é um problema. As mães já sabem que perfumes não garantem a felicidade de ninguém e que os filmes publicitários são apenas um meio da fábrica de perfumes avisar que tem um produto bom e tentar fazer com que você não se esqueça do nome na hora em que precisar comprar um. 

Com as crianças funciona diferente. Crianças não sabem a diferença entre o filme publicitário e o programa infantil. E quanto a marca usa o personagem preferido para vender a marca , aí é covardia. Quando começa a fazer o jogo da aceitação, dizendo que a criança será melhor aceita na escola se tiver determinado produto, no meu modesto entender, já virou abuso em último grau. Crianças não precisam ser apresentadas ao jogo cruel da vida de consumismo tão cedo. Elas estão na fase do experimento da vida, do brincar, do aprendizado das relações reais e não das perversas. Quando elas estiverem bem seguras de seus papéis na sociedade e de si mesmas, aí sim estarão ( creio eu ) prontas para a guerra que é a vida lá fora. 

Infelizmente, não temos escolha. Mesmo os pequenos já estão sendo expostos ao consumismo e ainda dizem que a culpa é nossa. Resta-nos apenas conversar exaustivamente sobre o assunto. E haja criatividade! Na páscoa deste ano, resolvi que meu filho não ganharia ovos de páscoa com brinquedos e avisei à família. Criei para o Ernesto uma história sobre o Coelho da Páscoa:

A greve do coelho da páscoa

Uma vez , quando faltavam poucos dias para a páscoa, o senhor Coelho se revoltou! Acontece que todas as crianças andavam pedindo ovos de páscoa com brindes, pequenos brinquedos que vinham junto com o chocolate e eram vendidos nas lojas. 'Isso não pode ser!', falou muito bravo o senhor Coelho. 'Dia de ganhar brinquedo pode ser o aniversário, dia das crianças ou natal, no meu dia é ovo de páscoa! Assim, eu não trabalho, eu não sou Papai Noel!' E pulou para dentro de sua toca. 

Dias depois o pior aconteceu. No domingo de páscoa as crianças acordaram para procurar seus ovinhos e não havia nada nos ninhos que prepararam, nem um ovinho sequer. Milhões de crianças amanheceram chorando e os pais começaram a pensar em fazer alguma coisa. Decidiram enviar uma comissão para descobrir o que havia acontecido. Será que o senhor Coelho estava doente?

'Que nada' avisou o peludo. Eu estou muito bem, obrigado. Mas, recuso-me a entregar ovos com brindes! Isso , não!' 

A comissão de pais explicou a tristeza das crianças e depois de muita conversa, o sr. Coelho aceitou entregar os ovos que estavam prontinhos no depósito. Foi a primeira vez que a páscoa aconteceu na segunda feira e depois disso todas as crianças passaram a esperar só ovinhos como símbolo da páscoa.            Fim.


Minha história pode ter até pé quebrado, mas funcionou. Meu filho não deixou de receber um ovo de páscoa mas deixou de desejar ardentemente um ovo industrializado cheio de gordura hidrogenada acompanhado de uma quinquilharia. Sei que com o passar do tempo será ainda mais difícil argumentar . Sem o elemento fantasia que posso usar agora a luta será mais complicada. Mas tenho um palpite de que todas as conversas que estamos tendo agora de forma lúdica possa ajudar a criar um espírito crítico no meu futuro cidadão e consumidor. 


Charge de Toni D'Agostinho




Um comentário:

  1. Realmente é muito complicado esse "tal" consumismo...Mas nada como uma boa conversa e mostrar sempre os dois lados que eles acabam entendendo...Aqui em Bom princípio, é colonização alemã em que fazem ovos pintados, bolachas de Páscoa e amendoim e ovos de pascoa nem chegou por aqui...
    Paz e bem

    ResponderExcluir

Comente, debata conosco, deixe sua opinião. Mãe é tudo igual agradece.

Web Analytics ▲ Topo