terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Dicas para ser uma boa mãe #soquenao



 Este post não vai dar 10 dicas para ser uma boa mãe. Não vai levantar bandeiras de parto ou amamentação. Este post não vai ensinar a trocar fraldas, lidar com birras, nem contar como eu sou uma maravilha de mãe, como acerto tudo, como sou impecável. Até porque não sou. Em muitos momentos, sinto que meu filho me vê como a bruxa má do leste, aquela que Dorothy matou com a casa caindo em cima de sua cabeça. Sim, as vezes eu acho que meu filho gostaria que caísse alguma coisa do céu para que eu simplesmente parasse de falar.




Sim, eu sei que mães não são bruxas 100% do tempo , assim como não são santas nem 0,9% do tempo. Mães são seres do sexo feminino - por mero acaso de combinação de cromossomos - responsáveis por carregar o ovo onde é gerado o filhote da espécie. A maternidade como vocação desvelada e seu conceito surgiu muito recentemente entre nós. Não somos santas, somos pessoas cheias de coisas a fazer e com a responsabilidade imensa de conduzir pequenos seres humanos até a idade adulta. Eles - os pequenos - devem chegar à maioridade sãos e salvos , física e - se possível - mentalmente.

Quando eu era criança, e olhe que isso já faz muito tempo, observei que minha mãe aprendeu a ser minha mãe sozinha, contando com apenas minha ajuda. Se ela tivesse uma dúvida muito grande, perguntava para a mãe dela. Minha avó tinha criado 4 filhos e tinha sua resposta pessoal para cada um dos problemas apresentados pela minha mãe , na época em primeira viagem. O ponto em questão é que minha mãe não passou por qualquer tipo de curso, não leu nenhum manual, não acompanhou nenhuma série de tv para desempenhar a função de minha mãe. Ela vivia a maternidade com seus erros e acertos como todas de sua geração e eu estou aqui sem faltar nenhum pedaço para dizer que deu certo. Não era uma santa e para mim as vezes parecia com a bruxa má do oeste - a que deu mais trabalho a Dorothy - e mesmo assim fui criada, amada, educada, alimentada, não adoeci por desleixo ou falta de cuidado.



Hoje em dia , o que mais vemos são roteiros, manuais, tutoriais para a vida. Quem os escreve tenta (?) passar sua bem sucedida experiência nos mais variados campos. A maternidade é um dos temas que mais enriquece empresas e autores. Como deve ser difícil ser mãe e pai atualmente. As consultas ao pediatra já não nos bastam. Precisamos ao tempo todo do conselho da psicóloga da moda, da apresentadora de tv, da grande corporação que comercializa produtos para a infância, das revistas de maternidade. Eles são os grandes condutores da nossas ações.




Minha dica, neste artigo é uma só:  Não existe dica. Nenhum conselho vai ajudar você a ser uma mãe melhor. As dicas no máximo podem ajudar a contornar problemas. Ser mãe e pai é algo muito maior. Existem as respostas que só você pode saber e só seu filho poderá ajudá-lo a enxergar a saída para os dilemas.Isso sem falar que existem coisas que dão certo com um  filho e totalmente errado com outro. Você acha mesmo os outros são perfeitos e podem saber mais sobre um assunto que é só seu? Desconfie de dicas e manuais, confie no seu sentido e no seu filho. Acho que a última frase soou como dica. Mas encare como uma contradica. Quem poderá dizer se você foi boa mãe ou não é seu filho. E mesmo assim, ele é suspeito.

Um comentário:

Comente, debata conosco, deixe sua opinião. Mãe é tudo igual agradece.

Web Analytics ▲ Topo