sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Mães pelo mundo - Itália




O Mães pelo mundo desta semana apresenta um pouco da vida de mãe brasileira na nostra Itália. Bergilde Corce mãe brasileira que mora em Turim e edita os blogs Filhotes Adorados e Belli Ricordi. Bergilde, que respondeu tudo com detalhes, conta um pouco como é criar filhos na Itália e as diferenças da vida no Brasil.


Blog - Fale um pouco do lugar onde você mora?

Bergilde _-Moramos em Turim (Torino em italiano e Turin em piemontês) é uma comuna italiana, capital e maior cidade da região do Piemonte, e efetivamente a quarta maior cidade do país, com uma população de 910,188 habitantes (2009), estando atrás apenas de Roma,Milão e Nápoles.. A cidade de Turim tem aproximadamente 1.700.000 habitantes em sua região metropolitana e 2.200.000 em sua área urbana. Foi a primeira capital da Italia na era republicana e atualmente é uma grande metrópole  industrial, conhecida particularmente como a sede da montadora de automóveis FIAT. A cidade é sede do edifício Lingotto, que já foi a maior fábrica de carros do mundo e que agora é centro de convenções, local para concertos, galeria de arte, centro de compras e hoteis. Outras companhias fundadas em Turim incluem aInvicta (1821), Lavazza, Martini, Kappa e a fábrica de chocolate Caffarel.Também é um centro da indústria aeroespacial, com a Alenia. Alguns elementos principais da Estação Espacial Internacional foram produzidos na cidade. Futuros projetos europeus como Ariane 5 serão gerenciados de Turim pela nova companhia NGL, subsidiária da EADS (70%) e Finmeccanica (30%).Em Turim também surgiram grandes companhias italianas, como a Telecom Italia do ramo das telecomunicações e a rede de televisão RAI. A maioria das indústrias de cinema moveram-se para outras partes da Itália, mas Turim continua sendo sede do Museu Nacional de Cinema.Alberga ainda na sua catedral o Santo Sudário(símbolo fundamental da fé cristã).Fonte: wikipedia.



Blog - Há quanto tempo você mora fora do Brasil? Seus filhotes adorados  nasceram
 fora?

Bergilde -Há quase sete anos vivo nesta terra onde meus filhotes nasceram e até então estão sendo criados.

Blog -Como seus filhos vivenciam sua dupla identidade cultural?

Bergilde -Naturalmente e não apenas comigo que sou mãe deles e  brasileira, mas com todos os nossos conhecídos e amigos de diferentes nacionalidades.Convivem desde o nascimento com essa diversidade étnica e cultural.Do condomínio, ao parquinho,à escola,enfim,por toda parte estão em contato com outras crianças que vivem uma realidade simile a nossa,o que felizmente não provoca nenhuma reação de estranheza.A língua portuguesa conhecem e, na maioria das vezes é como falo com os dois.Desse modo,eles mais ou menos conseguem se comunicar com os parentes brasileiros que também mandam filmes e vídeos animados do Brasil,atirando sempre maior interesse e atenção, além das viagens que fazemos à minha terra natal.Por incrível que pareça é a menorzinha que tem demonstrado maior facilidade na compreensão do jeito de falar cearense da mamãe.

Blog - Como é o lazer das famílias na Itália?

Bergilde - Percebo uma preferência por atividades ao ar livre em contato com a natureza em parques e jardins  públicos.Esportes como ciclismo,automobilismo,natação,patinação e futebol também entram nas preferências das famílias italianas. Quem vive em zona de montanha há o esqui  praticado desde a mais tenra idade, e quem vive em cidades litorâneas o mar é o cenário da diversão, sendo que, em geral, as praias são de gestão privada oferecendo vários serviços de animação tanto para adultos como para a criançada.Paradoxalmente, mesmo estando na Itália-palco da moda e culinária internacionais- não há  o lazer concentrado nos ‘shopping centers’,aqui chamados de centros comerciais,nem tão pouco voltado para os banquetes ‘alla italiana’ nos restaurantes e pizzarias -uma idéia  estereotipada que se faz dessa nação.As grandes famílias se reúnem frequentemente nos finais de semana e ou nas datas comemorativas nas próprias casas e partilham da comida,da conversa e de brincadeiras de grupo.Tudo simples,mas muito  lúdico.Em algumas cidades são oferecidos  preços especiais para o lazer das famílias com crianças  em idade escolar,por exemplo, visitação dos museus,castelos, cinemas,parques aquáticos além dos pacotes de ‘vacanze famiglie’(férias em família) que incluem agriturismos e balneários espalhados por todo o país.

Blog - Pode contar como funciona a rotina das mães onde você mora. Existe um bom sistema de creches ou as mães ficam em casa? As mães se ajudam em comunidade, existem babás?

Bergilde - Uma rotina,muito dinâmica e diversificada.Quem tem que trabalhar fora de casa por necessidade e/ou opção dispõe de serviços que oferecem no território nacional suporte educativo análogo:Dos três meses aos três anos-‘asilo nido’(creche),nido família(creche familiar onde associações,organizações,grupos de mães se organizam administrativa e legalmente para poder constituir uma creche em casa) ,educadoras familiares(educadora familiar-’baby sitter’ diplomada),micro-nido(mesma estrutura da creche,mas com número inferior de crianças),nido empresarial(creche das empresas e fábricas para os filhos de suas dependentes) ,centros de infância e nido integrado(creche ligada à escola da infância acolhendo crianças a partir dos 18 meses). Asilo ou escola materno-infantil (dos três aos seis anos) que podem ser privados ou públicos.Quem conhece ambas as realidades afirma que a diferença está  no preço porque a qualidade não difere tanto,pelo contrário, os públicos dispõem de uma gama muito bem estruturada e preparada de profissionais de Puericultura e Educação. Infelizmente, como a oferta é sempre inferior à procura  isso leva  a muitos pais trabalhadores terem que recorrer aos serviços privados.

Blog- Quais as principais diferenças culturais e econômicas e educacionais que você encontrou aí em relação ao Brasil no que diz respeito a criação dos filhos?

Bergide - Estamos vivendo a tal ‘globalização’,então o que se come,se veste e se usa tecnologicamente num país  se pode  também fazer em outro independentemente de sua língua, posição geográfica, clima ou cultura .Mas, é o acesso a esses recursos  que faz a grande diferença, deixando ainda  muito a desejar ao nosso Brasil se formos confrontá-lo ainda que grosseiramente( como estou fazendo) com a Itália.

Notamos que no Brasil o ’público’ seja ele referido aos bens históricos,à saúde,ou Educação é pouco valorizado,em geral mal tratado por grande parte da população  por mais que professores tentem nas escolas difundir a idéia do que é verdadeiramente ser patriota,falta uma interação e compromisso familiar nessa perspectiva .Não bastam os momentos de divulgação dos projetos escolares para isso,é preciso constância  e compromisso na adaptação dos modelos e métodos pedagógicos à realidade de cada lugar.O mesmo vale para os programas de saúde aí adotados.
Com relação à minha percepção da vida cotidiana como mãe aqui na ‘grande bota’,  não quero me deter numa visão da Itália ‘berço da civilização ocidental’, de tradição e cultura de causar inveja a qualquer um,mas falo  do modo como o povo italiano demonstra isso diariamente apesar da notória crise atual de governo e econômica que se observa.Há uma profunda resistência, preocupação e interesse  do cidadão comum e de uma parte da classe política (a que resiste) em não apenas querer,mas  agir para preservar,para melhorar o que aí está.Um exemplo clamoroso ocorrído há pouco tempo pelas ruas de Nápoles onde o lixo estava tomando de conta até dos monumentos históricos: vendo a lentidão do governo em fazer alguma coisa,um grupo de jovens e famílias(crianças pelo meio) da zona afetada se mobilizou com suas vassouras e máscaras de proteção nasal e começaram a fazer uma  grande coleta coletiva.Apoiados pelos meios de comunicação nacional obtiveram um ótimo resultado,melhorando não apenas temporariamente a imagem do lugar,mas  com o compromisso de uma solução imediata por parte das autoridades para a questão.Assim,fazendo valer aquele ditado que diz que ‘o povo unido jamais será vencido!’ Essa é a mentalidade italiana e que no meu ponto de vista carece em boa parte da minha gente brasileira, a que tantas vezes só reclama e e espera sem nada concretamente fazer,boicotando aqueles que tentam fazer alguma coisa para melhorar o país.A criança aprende conteúdos e conceitos valorosos a partir desses fatos do dia a dia porque a escola e a família caminham juntas na mesma direção.

Sendo cearense não pude deixar também de notar o lado humorístico italiano aliado à sua capacidade de ironizar de tudo,da vida, da realidade em que se encontra,mas com pontuação sempre  crítica  despertando muitos risos mas também tanta reflexão.Vejo o humor cearense e logo penso no Deputado ‘Tiririca’ e me pergunto que caminho está tomando a minha nação?
Todavia, não quero deixar de dizer o quanto o nosso Brasil é bem visto e respeitado por muitos italianos,não pelo que instantaneamente se poderia  pensar como o samba,mulheres bonitas e futebol ,mas por suas belezas naturais,sua música e o  outro lado dos rumos democráticos na nossa nação- uma das poucas com uma mulher no comando do poder escolhida  diretamente pelo povo.   

Um comentário:

  1. Adorei a entrevista, e a Bergilde dá um show com as sus respostas explicativas. Bjos.Adorei a entrevista, e a Bergilde dá um show com as sus respostas explicativas. Bjos.

    ResponderExcluir

Comente, debata conosco, deixe sua opinião. Mãe é tudo igual agradece.

Web Analytics ▲ Topo