quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Ser mãe não faz de você uma santa

supermae

Ser mãe é incrível, eu tenho meus momentos “nas nuvens” diariamente com meu filho. Mas nós, que estamos imersas na atividade materna, sabemos que ser mãe é mais dureza que doçura. Não sei se por uma tendência a divinizar a maternidade especificamente ou por vontade tampar o sol com a peneira ou de dourar a pílula, vigora a ideia de que quem é mãe é melhor que o resto da humanidade sem filhos. E quem é mãe de muitos filhos é melhor de quem só tem um ou dois. Quem tem filhos de parto natural é melhor mãe que as que optam – ou precisam – de uma cesárea. Quem fica em casa com os filhos é melhor mãe do que a trabalhadora. Quem faz tudo o que o filho quer é mais mãe do que a que diz não. Procuro me esquivar na maioria das vezes desses debates; hoje eu acordei de mau humor.

Preciso dizer então a você que tem filhos, que a moça ao lado não é um ser abjeto por que não pode, ou uma espécie de ET por que não quer ter filhos. Ter filhos é uma possibilidade conjugada com opção carregada de tanta responsabilidade que deveria passar por algum tipo de teste. Sim, um vestibular para mãe. Acredite , muita gente boa reprovaria. Ter filhos não é egoísmo, egoísmo é ter só para dizer que tem. Vai dizer que nunca conheceu ninguém assim?

 

Preciso dizer a você que teve filhos de parto natural : parabéns. Você deve ter tido uma excelente recuperação, intestino sem sobressaltos e disposição para enfrentar os primeiros dias punk. Mas, acredite, o parto natural não garante a você algum tipo de medalha no final da – se é que existe alguma - competição. Você terá que passar por todo o resto – refiro-me a todo o processo de criação do seu filho onde cada dia é uma gincana - sem anestesia.

Preciso dizer então a você que pode ficar em casa com a prole, que além de dedicação , você tem sorte. Por exemplo, no domingo passado em um programa de tv, assisti a uma matéria sobre costureiras que reivindicaram com a direção da fábrica um horário de trabalho das 6h às 16h porque desejavam pegar os filhos na escola , fazer o jantar, alimentá-los e colocá-los na cama. Você acha que as costureiras trabalham nesse regime porque são seres movidos por profundo egoísmo? Lamento informar que elas precisam trabalhar. Não podem ficar com seus filhos em casa pois a subsistência das crianças depende da força de trabalho da mãe e se eu tiver que conceber a ideia de uma mãe santa  ou de uma super mãe será a da costureira que se mata de trabalhar pelo filho por que não tem saída. Defender a concepção de que  filhos pequenos  devem crescer junto de suas mães não é mudar mentalidade  das classes A e B, mas uma atitude  política governamental. As mulheres saíram de casa há décadas para servir a nosso amigo Capitalismo como operário e consumidor. Para reverter esse quadro a gritaria vai ter que ser maior do que simplesmente chamar a mãe ao lado de egoísta.

Preciso dizer a você, que acha que seu filho único é triste por não ter um companheiro para brincar e por isso precisa providenciar outro logo, que eu detestaria saber que vim ao mundo só pra ser o brinquedo de alguém. Dizer que quer formar uma família grande e ter muitos filhos para abraçar é o único argumento válido para mim. E é claro que você terá experiências diversas por ser testada – sim, mãe não vive, é testada – sempre tendo de contornar situações distintas. Mas isso não garantirá a felicidade do seus filhos. Filhos únicos, as pesquisas revelam , são tão felizes e miseráveis quanto aqueles com muitos irmãos. 

Ser mãe não torna você melhor do que ninguém a não ser você mesma , aquela que você era antes da barrga. Seu filho, cada um deles, a torna melhor que antes na medida que lhe dá a oportunidade de servir de coração aberto a alguém que ama incondicionalmente. E só existe uma pessoa que poderá dizer com propriedade se você é uma boa mãe. Quem? Seu filho. E para ter isenção e maturidade para isso levará uns bons 30 anos e talvez ele precise ter seus próprios descendentes a fim de poder avaliar com razão. Por isso, relaxe, pare de se comparar e viva sua vida da melhor maneira possível. Ela é curta, não tem muito espaço para perda de tempo, por mais que as pessoas insistam no contrário. Viver uma vida plena de amor é tudo o que nos resta.

2 comentários:

  1. Minha mãe sempre deixou claro que se casou com meu pai mas nunca gostou dele. Ela sempre disse que ele a obrigou a parar de trabalhar e ficar em casa. Ela mesma disse isso a mim várias vezes que só teve filhos para ter companhia. Ela criou a mim e a meu irmão como objeto dela. Como brinquedo que ela manda e desmanda. Ela sempre disse.. "vocês são meus, eu mando em vocês". Óbvio que a primeira oportunidade que eu e meu irmão tivemos, saímos de casa. Eu saí aos 22 anos, há 8 anos atrás, para me casar com um rapaz que eu conhecia há dois meses. Eu tinha necessidade? Precisava ser precipitada? Infelizmente qualquer situação estava sendo melhor do que conviver sobre o mesmo teto que ela. O casamento deu certo por seis anos. Eu quis me separar, e fiz o maior erro da minha vida até hoje. Voltar à casa dos meus pais. E eu me vi.. uma mulher que trabalha, que sai, que tem vida própria, ser mandada pela mãe. Ela tentou controlar cada ato meu. Ligava para amigos meus. Me difamava. Eu não tinha condições de pagar um aluguel já que aqui não se encontra nada menos que 600 Reais. E até então eu achava melhor SUPORTAR do que morar em uma república. Mas qdo eu voltar à casa dela, não pedi um Real uma única vez. Eu saía, viajava, comprava minhas roupas, tinha amigos, tomava minha cerveja, comprei um carro velho, participava de festas, churrascos, e nunca pedia absolutamente nada para ela. Ela reclamava que limpava meu quarto, lavava minha roupa. Então eu limpei o meu quarto, lavei minha roupa. Então ela parou quase que totalmente de fazer comida (lembrando que meu pai tbm mora na casa). Eu nunca me importei. Eu chegava do trabalho, comia qquer coisa, fazia uma comida rápida, saía para comer. Por causa de divergências de coisas que eu comprava para comer e beber que sumiam da geladeira, eu coloquei uma geladeira no meu quarto (Sim! Isso que vc leu!). Trancava meu quarto para eu garantir que as minhas coisas estavam no lugar onde eu deixei e que a bebida e comida que eu tinha ainda estava lá. Por mais que eu implorasse que ela nao entrasse no meu quarto, ela entrava, pegava minhas roupas, lavava, limpava o quarto, e jogava na minha cara o que tinha feito. Não, eu não sou aleijada. E sim, eu sei limpar, cozinhar, passar, lavar, etc (e muito bem por sinal). Mas como vc vai impedir que sua mãe faça isso se ela faz qdo vc está no seu horario de trabalho? Ok. Comecei a trancar o quarto. Sim, as comidas e bebidas eram separadas em minha geladeira no quarto. Cheguei a tomar banho frio e me limitar a cinco minutos no chuveiro pq ela dizia que a culpa da conta alta era minha. Me limitava a apenas dormir no quarto tentando o máximo possivel ficar na rua/trabalho/casa do meu noivo. E qdo ela percebeu que mesmo assim eu saía, me divertia, viajava e era feliz, ela nao aguentou e partiu pra cima de mim. Sim, algumas vezes ela tentou me agredir. E acredito que o mais que eu a incomodo até hoje é o fato de eu ser feliz. Sou feliz, sempre. Dou risada, converso com todo mundo. Divirto-me. Brinco, saio, rio. Mas ela não. Ela ganha CINCO vezes mais que o meu salário e diz que não tem dinheiro. Não sai, não viaja, não vai a restaurantes, e festas, a lugar algum, único e exclusivamente pq ela nao tem dinheiro. E o que mais a incomoda é... como uma pessoa que ganha cinco vezes menos que eu é tão feliz?

    Hoje moro com meu noivo (marido né? rs), Sou extremamente feliz com ele. Os únicos momentos hoje que me deixam irritada na minha vida, não é quando estou doente, qdo perco dinheiro, o trânsito, nada disso. E sim minha mãe. Ela é a única coisa que me deixa para baixo e me irrita. Pq toda vez que ela me liga é para reclamar, dizer que nao tem dinheiro, falar mal de alguém, me chatear, me colocar para baixo.

    ResponderExcluir

  2. Toda vez que ela me vê ela ressalta o quão gorda eu estou. Que minha roupa está amarrotada. Que ela está sem as coisas na casa. Fala mal do meu pai, do vizinho, do meu irmão, de qquer pessoa.

    Todas as vezes que eu vejo a minha mãe volto com um grande pesar no peito e uma grande tristeza. Como eu uso pouco meu carro, deixei na casa dela e entramos no acordo que qdo ela fosse sair me ligasse perguntando se eu precisaria do carro. Foi então, que no começo eu não percebi, mas então eu comecei a ver que ela marcava compromisso em todos os horários em que eu precisava do carro. Por exemplo, eu saio 17 horas... Meu pai me busca esse horario. Então ela marca médico adivinha que horas? Ela marca 16h45, não admite ir embora de onibus e meu pai tem que me buscar bem mais tarde que o normal.

    Tá, ok! Você vai dizer... sua mae trabalha, é muito ocupada. Não, não é. Não faz absurdamente nada da vida. Ela não trabalha há mais de 40 anos. Toda vez que eu tenho que sair de manhã ela "quer aproveitar a carona" passando no centro, num tráfego infernal me atrasando ainda mais para o trabalho. Agora ela deu para inventar... Sabe qual foi a de hoje?? Feriado prolongado de carnaval... Ela me ligou nem lembro pra que... e perguntou... "Agora vc trabalha só quarta depois do almoço?"... E eis que eu respondi... "Sim, quarta meio dia". Eu tenho moto e vou de moto para economizar. MAS, quarta feira estava uma chuva terrivel desde muito cedo. Subentende-se que eu vou precisar do carro né? Pois então... Uma mulher que não faz absolutamente nada da vida, que NUNCA acorda antes do meio dia, resolveu sair com meu pai, numa chuva terrível, para sabe o que? Visitar uma amiga!

    Lembra que ela perguntou do meu horario? Lembra que eu disse que entraria quarta ao meio dia? Então... ela não acorda antes do meio dia nunca... pois hoje, ela resolveu acordar cedo e ir visitar a amiga. Então meu pai atravessa a cidade para vir trazer o carro, eu chego MEIA hora atrasada no trabalho. E sabe o que meu pai disse? Que a minha mãe disse a ele que eu falei que na quarta feira eu não iria trabalhar.

    MENTIROSA! Agora também mente e inventa!

    O carro está na minha garagem. Ninguem vai mais usa-lo. O numero dos dois estão na Lista Negra do Aplicativo do meu celular. Se tocarem dá caixa postal. Meu portão estão com correntes e cadeados. Chega. Não vou mais falar com eles. Cada vez que eu ligo para eles ou eles me liga e praticamente uma crise de nervos que me dá. Continuando um relacionamento com eles, antes dos 40 anos vou infartar. Quero vida longa! Quero felicidade!

    ResponderExcluir

Comente, debata conosco, deixe sua opinião. Mãe é tudo igual agradece.

Web Analytics ▲ Topo