terça-feira, 21 de junho de 2011

Mães pelo mundo - Alemanha

berlin
Inauguramos hoje uma nova seção no blog , O mães pelo mundo. Nele entrevistamos mães brasileiras que vivem no exterior. Como criar filhos fora do Brasil? Qual a melhor parte da história? E o que não é tão bom assim?
Nossa primeira entrevistada é a Nina do blog Entre Mãe e Filha , que mora na Alemanha , um país bem diferente do nosso. Lingua, cultura , história, estágio de desenvolvimento econômico, clima. Muita coisa é diferente do Brasil. Mas, como  a vida funciona na prática? Tomei a liberdade de sublinhar as partes que mais me chamaram a atenção na conversa.
Blog -Há quanto tempo você mora fora do Brasil? Seu filho/ filhos nasceram fora?


Nina - Moro na Alemanha há 5 anos. Tenho três filhos, dois adolescentes que nasceram no Brasil e o bebê de quase 1 ano, nascido aqui.



Blog - Como seu filho vivencia sua dupla identidade cultural?

Nina -  Eles,  a meu ver, se saem muito bem. Desde os primeiros dias, se adaptaram muito bem. Aprenderam e aprendem a língua muito rapidamente, tem muitos amigos e se sentem em casa. Nao os vejo perdidos, nao ficam se perguntando se sentem melhor aqui do que no Brasil, ou se culpando ou pior, me culpando pela decisao de virmos pra cá. Vejo meus filhos muito abertos ao mundo, às coisas novas. Apesar de amar o seu país de origem, adoram viver aqui. Só nao gostam do inverno rigoroso, mas passam por ele numa boa. Saber que tem no Brasil uma pátria e família que os ama, também é um conforto, pois eles sabem que se precisarem ou se simplesmente quiserem voltar a morar lá, serao sempre muito bem vindos. Sobre o bebezinho nao posso ainda dar minha opiniao, mas acho que será ainda mais interessante :-)



Blog - Quais as principais diferenças culturais e econômicas e educacionais você encontrou aí em relação ao Brasil no que diz respeito a criação dos filhos, relacione prós e contras , por favor.

Nina - A Alemanha é um país ótimo de se viver, sou suspeita pra falar porque amo estar aqui e  considero meu lugar no mundo, o meu coracao está aqui. Diferencas sao muitas, muito complicado colocar em um só texto. Existem pequenas e grandes diferencas, existem coisas que no comeco, nao notamos como diferencas culturais, mas que vao se clareando como tal com o passar do tempo. Aqui cria-se filhos de forma mais dura, mais rígida, mas ao mesmo tempo, com muita liberdade, com o intuito de colocá-los a se preparar para o futuro, tomando decisoes que cabem a eles mesmos ou assumindo suas responsabilidades pelos erros que cometeram, p. ex. Os pais aqui fazem os filhos trabalharem duro em casa e nao fazem diferenca entre meninos e meninas (é claro que estou falando dos pais mais velhos, a geracao mais atual, nao conheco muito bem e nao posso falar por eles). As criancas tem liberdade vigiada, o que é fácil num país seguro como a Alemanha (em comparacao, é claro, com o Brasil). As escolas sao gratuitas e sao divididas em três tipos principais, que preparam as criancas para diferentes tipos de profissao. Existe a escola primária, igual pra todo mundo, e de lá, dependendo do desenvolvimento da crianca, quem decide pra que tipo  de escola ela vai, nao é o dinheiro dos pais,  mas uma equipe de professores que observa como a crianca se saiu nos quatros anos de escola. Esse é o único ponto negativo pra mim, pois eu acho que as criancas que sao enviadas as escolas menos boas, podem sofrer preconceitos e serem obrigadas a aceitar o trabalho que o tipo de escola tem a oferecer. É claro que a crianca pode com o passar dos anos ter  a possibilidade de mudar de escolas, tanto pra uma melhor quanto baixar pra uma pior, mas as que ficam na escola de baixo nível (seria algo como uma pública no Brasil, mas bem melhorada) nao tem muitas chances de arranjar um trabalho bem remunerado como provavelmente, os que estudaram numa escola de melhor nível terao...

Mas existem fatos que me fazem ver o quanto nós no Brasil somos precários de qualidade de vida e o quanto pode ser difícil ter filhos no Brasil (diferente de como eles pensam aqui). Aqui, p. ex., nao se paga remédios receitados pra criancas até 18 anos em drogarias, ou  consultas médicas, as visitas ao dentista pelas criancas, sao obrigatórias duas vezes ao ano (talvez esteja aí o fato de cárie quase nao existir mais por aqui). O que mais acho interessante é o pouco valor que o dinheiro tem na infância aqui. Nós brasileiros, estamos acostumados p ex. a sair e ir comer no shopping. Aqui, ao contrário, dá-se grande valor a passeios na natureza, dias inteiros  em parques ou montanhas e sempre levando lanche pronto de casa. Crianca, mesmo grande, leva lanche de casa pra escola, poucos pais dao dinheiro aos filhos pra comprar porcarias fora da escola. Acho também importante ressaltar o valor que os pais dao a poupar. A crianca recebe mesadas baseadas nas necessidades que cada idade tem. E se querem algo que nao está dentro do programa dos pais, é a crianca que paga com seu dinheiro. Aqui eles aprender sobre valor do dinheiro muito cedo e nao é raro encontrar criancas p ex., tocando flauta nas ruas das cidades pra ganhar um dinheirinho que vai ajudar a comprar uma flauta melhorzinha.

São pequenas e grandes coisas que mostram as deficiências que ainda temos, infelizmente, no Brasil. Eu nao vejo muita coisa negativa com relacao a educacao aqui nao, existem, certamente, mas acho que as coisas positivas superam de longe, as negativas. Acho porém que as pessoas aqui se levam muito a sério e as criancas crescem num ambiente muito rígido, certinho demais, falta a eles o que temos demais, que é a espontaneidade e a  facilidade de improvisacao. Mas nao se pode ter tudo, nao é?

Conheça os blogs da Nina :

* imagem –Visão noturna de Berlim / google images




2 comentários:

  1. Olá
    Ariadne, muito interessante esta seção, vou procurar seguir os relatos. Tabalho com famílias e obter esses conhecimentos através das experiêcias é sensacional.
    Nina como sempre muito claras nas suas colocações, mas ficou uma dúvida em relação ao lazer das crianças.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto, sou supeita para falar porque sou fa da Nina! hahah Mas amei o blog aqui, assuntinho bom mesmo, principalmente porque tenho planos de engravidar e ja e bom ir ficando por dentro ne?! Moro na Belgica e a situacao aqui e parecida, mas diferente em algumas coisas tbm. Enfim, parabens a nova secao do blog.
    Beijos

    ResponderExcluir

Comente, debata conosco, deixe sua opinião. Mãe é tudo igual agradece.

Web Analytics ▲ Topo